Mostras 2014

2014

O Personagem Homossexual no Cinema Brasileiro

O Personagem Homossexual
A partir de elementos levantados no livro A Personagem Homossexual no Cinema Brasileiro, de Antônio Moreno, (EdUFF/Funarte, 2a. Ed., RJ, 2002), que, numa perspectiva sociocultural, apontou marcas estereotipadas e preconceituosas caracterizando o homossexual imaginado pelo cinema nacional, a mostra O Personagem Homossexual no Cinema Brasileiro tem o propósito de colocar em evidência o tratamento dado às personagens homossexuais, buscando, através do significado desta caracterização cinematográfica, ampliar o sentido do discurso dos filmes e colocar em discussão assuntos concernentes ao tema.

A mostra foi realizada com enorme sucesso em fevereiro de 2014 na CAIXA Cultural Rio de Janeiro, onde contou com um público interessado, participativo e frequente e a sala esteve cheia em quase todas as sessões. A presença sempre ativa do público durante as sessões e principalmente nos debates mostrou o quanto a discussão acerca da abordagem da homoafetividade pelo cinema brasileiro é importante e necessária.

Programação:
Anjos da Noite, de Wilson Barros, 1987, 98min, Digital
A Casa Assassinada, de Paulo César Saraceni, 103min, 1971, 35mm
A Festa da Menina Morta, de Matheus Nachtergaele, 110min, 2009, Digital
Aqueles Dois, de Sérgio Amon, 75min, 1984, 35mm
Bocage – O Triunfo do Amor, de Djalma Limongi Batista, 85min, 1997, 35mm
Como Esquecer, Malu de Martino, 100min, 2010, 35mm
Elvis e Madona, de Marcelo Laffitte, 105min, 2010, 35mm
Flores Raras, de Bruno Barreto, 118min, 2013, 35mm, 14 anos
Giselle, de Victor di Mello, 90min, 1981, digital
Gugu, o Bom de Cama, de Mário Benvenuti, 82min, 1979, 16mm
Leila Diniz, de Luiz Carlos Lacerda, 101min, 1987, 35mm
Madame Satã, de Karim Ainouz, 105min, 2002, 35mm
Meu Amigo Cláudia, de Dácio Pinheiro, 86min, 2009
O Beijo no Asfalto, de Bruno Barreto, 80min, 1980, 35mm,
Rocky e Hudson , de Otto Guerra, 63min, 1994, 35mm
Romance, de Sérgio Bianchi, 98min, 1988, 35mm, 18 anos
Vera, de Sérgio Toledo, 85min, 1986, digital, 16 anos

Curtas:
Os Sapatos de Aristeu, de René Guerra, 17min, 2008, 35mm
Sargento Garcia, de Tutti Gregianin, 16min, 2000, 35mm
Eu Não Quero Voltar Sozinho, de Daniel Ribeiro, 17min, 2010, Digital
Verdade ou Consequência, de Aleques Eiterer, 13min, 2002, Digital
Ritos de Passagem, de Sandra Werneck, 25min, 1980, Digital

Mesa de debate 1:
“O Gay e a Cidade Grande”, por Luís Carlos Lacerda
“A Diversidade e a Evolução do Tema Gay no Atual Cinema Brasileiro 1998-2013”, por Antonio Moreno
“A 7ª Arte na agenda do Grupo Gay da Bahia: 1980-2000”, por Luiz Mott

O Personagem Homossexual

Mesa de debate 2:
“Lesbianismo e Voyerismo” por Susana Schild
“O Gay e o Espaço Social no Cinema” por Antônio Moreno
“Estereótipos sexuais na comédia brasileira” por José Carlos Monteiro

Site: http://www.personagemhomossexual.com.br

Cinema, Globalização e Multiculturalismo

O debate sobre globalização e multiculturalismo tem aberto diversas possibilidades para se compreender o mundo em que vivemos. Estes temas são mais comumente discutidos do ponto de vista econômico, tecnológico ou político. Nossa proposta com esta mostra é pensar estes temas através do cinema feito nos últimos 30 anos a partir da queda do muro de Berlin e a crise de noções como Primeiro Mundo, Segundo Mundo e Terceiro Mundo.

Estas mudanças implicaram não só novas formas de produção a partir de fundos e festivais internacionais bem como formas de distribuição que ultrapassam os formatos convencionais da tela grande, transitando pela internet e cineclubes. Acreditamos que para conhecer, por exemplo, o cinema contemporâneo brasileiro não se deve apenas conhecer a história do cinema brasileiro mas cada vez conhecer também os encontros que se dão para além de alguns poucos países europeus e norte-americanos. Cada vez mais as pessoas viajam e as imagens transitam cruzando fronteiras culturais e o cinema se altera.

Esta mostra que apresentou filmes feitos nos últimos 30 anos foi inspirada no livro No Coração do Mundo: Paisagens Transculturais (Rio de Janeiro, Rocco, 2012) de Denilson Lopes de onde não só os conceitos-básicos da mostra foram tirados bem como todos os filmes exibidos foram analisados.

A mostra aconteceu em abril de 2014 na CAIXA Cultural Rio de Janeiro, tendo tido um público muito significativo, participativo e interessado.

Programação:
A Vida sobre a Terra, de Abderrahmane Sissako, 61min, 1998, 35mm
Até o Fim do Mundo, de Wim Wenders, 179min, 1991, digital
Babel, de Alejandro González Iñárritu, 143min, 2006, digital
Calendário, de Atom Egoyan, 74min, 1993, digital
Encontro e Desencontros, de Sofia Coppola, 101min, 2003, digital
Felizes Juntos, de Wong Kar-Wai, 96min, 1997, 35mm
Millenium Mambo, de Hou Hsiao-Hsien, 119min, 2001, 35mm
O Céu de Suely, de Karim Ainouz, 90min, 2006 35mm
O Intruso, de Claire Denis, 130min, 2004, 35mm
O Mundo, de Jia Zhang-Ke, 143min, 2004, 35mm
Os Famosos e os Duendes da Morte, de Esmir Filho, 101min, 2011, 35mm
Terra Estrangeira, de Walter Salles e Daniela Thomas, 110min, 1996, 35mm

Mesa de debate 1:
Hernani Heffner (conservador-chefe da Cinemateca do MAM)
Esther Hamburguer (professora do Departamento de Cinema, Radio e Televisão da Escola de Comunicações e Artes da USP)
Mediação: Prof. Denilson Lopes (professor ECO/UFRJ e curador)

Mesa de debate 2:
Denilson Lopes (professor ECO/UFRJ e curador)
Esmir Filho (Cineasta – Os Famosos e os Duendes da Morte)
Mediação: Lucas Murari (Pesquisador ECO/UFRJ)

Site: http://www.mostraglobalizacao.com.br

O Novo Cinema Chileno

O Novo Cinema Chileno
A Mostra “O Novo Cinema Chileno” é um apanhado significativo da produção do país que se destaca no cenário mundial. Durante uma semana, serão apresentados 15 longas e 10 curtas de cineastas chilenos. Além da exibição de fi lmes, a mostra realizará um debate com a presença de cineastas e críticos chilenos e brasileiros que se debruçarão sobre o diálogo entre as cinematografi as de cada país.

O Chile apresenta uma produção pequena comparada a países como Brasil e Argentina, porém possui uma grande história cinematográfica com nomes como Alejandro Jodorowsky, diretor de clássicos como “Santa Sangre” e “The Rainbow Thief”, e Raúl Ruiz, responsável por fi lmes como “Três Tristes Tigres” (1968) e “Klimt” (2006). O país também passa por uma ascensão de jovens cineastas que vêm se destacando na produção atual como Dominga Sotomayor,
com “De jueves a domingo”, Pablo Larraín com “Tony Manero” e “Post mortem”, Cristián Jiménez com “Ilusões óticas” e “Bonsái”, Marialy Rivas com “Joven y alocada” dentre outros que estarão representados na mostra.

Programação:
De Quinta a Domingo, de Dominga Sotomayor, 2012, 94 min, 35mm
Glória, de Sebastián Lelio 2013, 110 min, 14 anos, 35mm
Jovem Aloucada, de Marialy Rivas, 2012, 92 min, Digital
Mamãe Te Amo, de Elisa Eliash, 2008, 82 min, Digital
O Outro Dia, de Ignacio Agüero, 2012, 120 min, Digital
O Peixe-Sapo, de José Luis Sepúlveda, 2007, 98 min, Digital
Sou Muito Melhor que Você, de José Manuel (Ché) Sandoval, 2013, 83 min, Digital
Tony Manero, de Pablo Larraín, 2008, 97 min, Digital
A Valsa dos Inúteis, de Edison Cajas, 2013, 80 min, Digital
Ver e Ouvir, de José Luis Torres Leiva, 2013, 90 min, Digital
A Vida dos Peixes, de Matías Bize, 2010, 85 min, 35mm
Violeta Foi para o Céu, de Andrés Wood, 2011, 110 min, 35mm

Curtas
Abaixo, de Dominga Sotomayor, 2007, 18 min, Digital
Ambiente Familiar, de Carlos Leiva, 2012, 18 min, Digital
Asunción, Camila de Luna Toledo, 2013, 20 min, Digital
Blocos, de Marialy Rivas, 2010, 15 min, Digital
A Ducha, de María José San Martín2010, 10 min, Digital
Fonda, de Klaudia Kemper, 2013, 5 min, Digital
Lúcia, Luís e o Lobo, de Joaquín Cociña, Cristóbal León e Niles Atallah, 2008, 8 min, Digital
Opostos, de Cristóbal Sobera, 2012, 16 min, Digital
A Santa, de Mauricio López Fernández, 2012, 14 min, Digital
Titânicos, de Edison Cajas, 2011, 25 min, Digital

Site: http://www.onovocinemachileno.com.br

MENU